A Bahia é o quarto maior Estado produtor nacional de café, atrás de Minas, Espírito Santo e São Paulo, mas o café baiano do município de Piatã, na Chapada Diamantina, é o melhor do Brasil. O lote do produtor Cândido Vladimir Ladeia Rosa, da Fazenda Ouro Verde, em Piatã, foi o campeão do 10º Concurso de Qualidade Cafés do Brasil – Prêmio Cup of Excellence, com 91,08 pontos do Júri Internacional. Minas Gerais e São Paulo conquistaram o 2º e 3º lugares. E a Bahia, além do 1º lugar, emplacou mais seis colocações entre os 26 finalistas.

Esse resultado é fruto do trabalho que vem sendo desenvolvido pelos produtores da região, com apoio do governo do Estado, através da Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária, Seagri, e da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola, EBDA.

“A Bahia é o quarto estado brasileiro em produção de café, mas nós queremos mais, queremos qualificar ainda mais o produto”, disse o secretário da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária, Seagri, Roberto Muniz. Ele lembrou que a Seagri está se mobilizando para reorganizar a Câmara Setorial do Café, produto de destacada importância na economia baiana, gerador de milhares de empregos, e disse que a Seagri deverá agilizar providências que venham agregar valores à cadeia produtiva.

“Esta premiação representa muito para nós, agrega valor à nossa produção”, afirma Michael Freitas, presidente da Cooperativa e da Associação dos Produtores de Café de Piatã. Ele revelou que os 26 lotes vencedores, selecionados entre os 56 finalistas que participaram da última etapa, a do Júri Internacional, vão participar do disputado leilão internacional Cup of Excellence, no dia 19 de janeiro de 2010.

Só para ilustrar a importância do leilão, Michael lembra que o campeão do concurso de 2005 vendeu no leilão a saca de café, (60 kg) por R$ 14 mil. “Vinte sacas premiadas num concurso como esse valem o equivalente a 200 sacas no mercado comum”, disse ele. Do leilão do dia 19 vão participar torrefadores de várias partes do mundo.

Aberto a todo produtor de café arábica, o Concurso de Qualidade Cafés do Brasil foi fundamental para conquistar o mercado internacional para os cafés especiais brasileiros. O Júri Internacional é integrado por provadores e profissionais de compra de torrefações e lojas de cafés de diversos países europeus, asiáticos e americanos.

Ao participarem do concurso, esses compradores têm a oportunidade de conhecer não só a alta qualidade dos grãos, mas também as regiões produtoras e os sistemas de certificação de qualidade e de produção da BSCA.

FONTE

Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária da Bahia
Assessoria de Imprensa da Seagri